terça-feira, 5 de outubro de 2010

Orgulho ou questão de honra?

Nesta segunda feira, nosso inesquecível e posteriormente esquecível outrora treinador foi demitido do Flamengo, dando lugar, provavelmente ao multi-campeão Vanderlei Luxemburgo. No Avaí, nosso ex-técnico conseguiu unir o grupo e honrou com lealdade o manto azurra, bem como os jogadores que fizeram parte daquele plantel 2008/2009, nos proporcionaram um momento de magia e de êxtase imensurável, foram tantos momentos de alegrias e conquistas, que fica difícil escolher qual teria sido melhor.

Entretanto, como qualquer outra pessoa, todos buscam a ascensão na carreira e nosso ex-comandante, além desta vontade íntima, enfrentou um conflito de vaidades que culminaram com sua saída do clube azurra. Ao assumir o Grêmio, muitos tricolores achavam que Silas tinha a cara do time gaúcho e recuperaria a hegemonia perdida, por outro lado, parte daquele povo dos pampas entende que a mão de obra futebolística vinda de Santa Catarina, não serve para honrar o manto do tricolor galdério. Desta forma, diante de tanta resistência, mesmo após a conquista do título estadual, o comandante acabou não resistindo à pressão e foi demitido.

Posteriormente, o comandante assumiu o Flamengo, neste caso uma missão ainda mais complicada, pois a briga política e os egos cariocas conseguiram derrubar até mesmo o eterno ídolo Zico, outro não seria o resultado senão a iminente demissão do treinador, o qual também contribuiu falando mais do que devia. Entretanto, circulou em Florianópolis a informação de que Silas poderia voltar ao comando do time alviceleste, o que achamos improvável ou até mesmo impossível. Afinal, após a emocionante despedida em 2009, nos meses seguintes ambas partes travaram uma briga intensa, a qual criou uma mágoa intransponível na nação avaiana e acima de tudo na diretoria, além de alguns aspones que se entranharam na corrente sanguínea da ressacada.

Ora, não foi apenas uma declaração para tentar conquistar a torcida gaúcha, foi uma ofensa ao torcedor avaiano, este extremamente passional como todos os outros, além disso, o insistente assédio aos atletas azurras, culminando com as manifestações de repúdio na Copa do Brasil, são fatores que dificultam e muito uma nova caminhada em conjunto. Já no Flamengo, levou Emerson Buck e sondou Válber, aliada as declarações dadas pela diretoria e principalmente quando Silas disse: “nunca mais treinarei o Avaí”, acreditamos que este conjunto de besteiras e declarações impensadas tenham criado um imenso abismo para esta possível conciliação, pois não se trate meramente de orgulho, mas uma questão de honra!

3 comentários:

Fábio disse...

Não acredito em "nunca mais" dentro do futebol, mas no momento ele não teria ambiente/clima/moral para dirigir o Avaí.

Ele precisa amadurecer emocionalmente e aprender que temos dois ouvidos e uma boca para não falar tantas asneiras como ele o fez.

Além do mais seria bom o Avaí andar sem o Silas e o Silas sem o Avaí.

Abs

CHULETA AVAIANA disse...

Concordamos Fábio,

Realmente Silas falou muitas asneira sem pensar ou se pensou, foi pior ainda!!

Sobre o "nunca mais", no futebol isso não existe e só dura até uma volumosa proposta financeira!!

Abraço.

EXPERIÊNCIAS COM VIAGENS disse...

Gente, muito bom esse texto. Concorco que no futebol uma verdade não dure mais do que 24 horas, mas no momento atual duvido que o Silas volte a treinar o AVAÍ, pelos motivos por todos abordados. Sinceramente, se esse cidadão voltasse hoje a treinar nosso time, eu seria um que me desligaria como sócio do clube. É uma questão de honra!!!