sexta-feira, 11 de março de 2011

Alegria, Alegria

A semana curta encerra com alegria!  Nesta sexta-feira (11), o amigo e chuleteiro Jair Alcides dos Santos, o Jajá, completou mais um ano de vida.

Ao nosso, com o perdão da palavra, poeteiro e maratonista (calma, a gente explica ! Jajá, um maratonista de mão cheia - ou seria pés? - é o responsável pelos posts pra lá de poéticos e musicais do nosso Blog da Chuleta), nossos votos de muitas felicidades.

E já que estamos falando de Jajá,  o poeta chuleteiro e eterno aventureiro (na foto ele aparece no Perú, em nov/2010), "Por que não, por que não..." homenageá-lo utilizando o título desta de Caetano Veloso: "Alegria, Alegria"....E que sigas vivendo ("Eu quero seguir vivendo...") !

Parabéns Jajá! Alegria, Alegria !

12 comentários:

Jair disse...

Amigos blogueiros, fiquei emocionado com a homenagem, não tenho palavras para expressar meus sentimentos nesse momento. Queria registrar, aqui, que trabalhar com cada um de vocês tem sido um grande aprendizado, além de uma tarefa prazerosa e divertida! Meu muito obrigado, de coração!
Jajá

Chuleta Avaiana disse...

Esse é o poeteiro Jajá !!!! Alegria, Alegria companheiro ! Parabéns!

Família Chuleta Avaiana

ANDRÉ COUTO disse...

Vida longa Jajá Máquina ! Tudo de bom, amigo !

Se beber, não dirija !

Abraçooo,
Couto

Chuleta AvAiAnA disse...

Grande Jajá!!!
Felicidades meu amigo...
O Couto esqueceu...
E se for beber não esqueça de nos convidar!!!!!!
Abraços e feliz aniversário.

Sergio Jr disse...

Vida longa ao poeteiro Jajá!

Alma de poeta
Deus deu ao poeta o dom da palavra, que ele usa como flechas. Palavras direccionadas, que lhe saem da alma, espontaneamente, como quem desfia as contas de um rosário.

Os seus versos são muito mais que versos. São gritos inconformados. São desabafos tórridos de uma mente inquieta, que não se cansa de sentir e de sonhar.

São mensagens. Penas lançadas ao vento, com a firme certeza de que algures, alguém as lê e as decifra.

O poeta não reconhece o corpo, como se não o tivesse. Tem alma e olhos apenas, que mais não são do que o espelho da alma.

Os olhos são o parapeito de onde se debruça e vê o mundo, quantas vezes sem janela, porque o seu mundo nem sempre é real, nem sempre faz sentido.

Quando chega ao fim do corredor, não se senta, conformado. Aos seus olhos existem mil portas que se abrem, muito para lá de onde alguém já caminhou.

O Poeta vive dos momentos que outros ignoram, realidades que muitos desconhecem, pela incapacidade de as sentirem.

Mais do que corpo, é intelecto. Pudera ele, e livrar-se-ia do físico. Levitaria apenas, porque os sentidos, tem-os todos na alma e não na carne.

A carne nunca passará de matéria, que cansa, que fede, que envelhece. A alma não tem idade, nem regras, nem limites...

O poeta é intemporal, porque os anos não passam pela alma. A alma é que passa por eles, indiferente à sua passagem e passa muitas vezes pelos anos que ainda não viveu.

É a alma que escreve. Os dedos, esses que envelhecem, são apenas instrumentos de uma força maior.

Escreve porque padece do privilégio dos que aprenderam a sonhar. Dos portadores dessa essência que os distingue, das personagens fictícias que os habitam e que não mostram ao mundo, porque a maioria não as compreenderia.

Escreve, porque com o dom da palavra, veio-lhe também a sabedoria de a transmitir, simulada neste universo poético, onde tudo é permitido...
Custe o que custar!

Jair disse...

Sérgio Jr, parece que não sou o único poeta!! Amigo, muito obrigado pelo carinho e pelas palavras. Um abração. Jajá.

Dinho disse...

Parabens Jájá (mesmo atrazaado hehehe)!! Vida longa com muita saúde, paz, amor e gols do Leão!!!

Jair disse...

Grande Dinho, sempre presente no blog da Chuleta Avaiana. Um abração e muito obrigado. Jajá

Ricardo W Zacchi disse...

Grande Jaja!!! parabéns cara, tudo de bom!!

Jair disse...

Grande Ricardo, muito obrigado pelo carinho. Um abraço Jajá.

Fernando disse...

Nosso amigo Jajá, não se sabe exatamente por que razão, sempre buscou "se esconder" às vésperas da grande data em que celebra seu aniversário.
E eu, como sempre, só lembro do aniversário dele (e de praticamente todos os amigos) uns dias antes. Chega na hora e dá aquele branco. Até já caí uma vez numa pegadinha do Jajá por conta dessa minha "distração".
Mas, felizmente, os verdadeiros amigos sabem que, lembrando ou esquecendo, ligando ou não ligando no dia exato, o que importa é que o desejo de sucesso, paz e felicidade é um sentimento ininterrupto, diuturno e inexorável.
Feliz aniversário e grande abraço, Jair... "antes tarde do que mal acompanhado".

Jair disse...

Grande Fernando, muito obrigado pelo carinho e amizade, mô querido.