sábado, 10 de setembro de 2011

M10 e a "ética" de um ídolo

Nesta última rodada, mais do que os jogos, a grande atração foi Rogério Ceni que completou incríveis 1.000 jogos pelo tricolor paulista. Assim como qualquer ser humano, o goleiro goleador tem seus defeitos o que gera certa antipatia em algumas pessoas. O titular do globo.com, que escreve a coluna sobre o São Paulo fez uma afirmação indiscutível: "Rogério é mais do que um atleta, é um torcedor apaixonado pelo seu clube." Concordo plenamente com o blogueiro, pois Ceni é um estudioso, sabe da pontuação, dos jogos seguintes - inclusive dos adversários -, sabe fazer projeções e acima de tudo, "briga" para honrar a imagem do outora campeão mundial, dentre outros tantos títulos.

O profissional Rogério Ceni não se aproveita da imagem de ídolo para soltar frases de efeito nos microfones, causar polêmica e jogar para torcida. As vezes até se faz de vítima, puxa o torcedor pro seu lado, mas convenhamos, dificilmente veremos um Idolo (com i maiúsculo) deste porte novamente. No arena Sportv desta sexta-feira (09), o craque Montillo esteve presente e foi questiona sobre sua saída do Cruzeiro. O camisa 10 mineiro recebeu duas propostas tentadores para deixar o clube, mas recusou e olha que o jogador não é de Minas, muito menos brasileiro, é argentino! O profissional declarou que não se sentiria bem abandonando o clube neste momento, pois não quer abandonar o barco no meio do campeonato.

Já na Ressacada, Marquinhos chorou no fim de 2010, no início de 2011, reapareceu no sul da ilha de helicóptero - com a socialização de custos -, mas não teve o retorno esperado. Muitos torcedores entendiam que M10 tinha carta branca por ser ídolo e já ter feito muito pelo Avaí. Ora, é indiscutível que o galego foi um atleta marcante na história recente do leão, mas o que M10 fez, definitivamente jogou por terra a imagem de intocável e fez àquelas lágrimas derramadas no fim do ano passado, parecerem mero teatro!

O galego veio para o Avaí fora de forma, preocupou-se mais com os microfones do que jogar bola. Não corria em campo, pois não é seu estilo - "craque" não pode ralar o bumbum no chão -, mas quando chegou ao Grêmio, declarou que no seu último jogo pelo Leão, entrou em campo com a cabeça no tricolor gaúcho. Além disso, nos pampas, foi colocado na geladeira e somente voltou a jogar depois de entrar em forma (exigência de clube profissional). Agora, o ex-protegido no sul da ilha está fininho, corre os 90 minutos, dá carrinho, bate falta e demonstra a mesma garra que também o fez titular no Santos em 2010, mas que no Avaí não poderia, pois era protegido pelo manto da idolatria.

O que mais impressiona, é que tem torcedor que não vê isso!

6 comentários:

Alexandre Carlos Aguiar disse...

Meu caro, torcedores como eu viram isto, sim, que ele não estava rendendo, mas ainda assim deveria ser proporcionado a ele uma "lapidação da joia".
Não faltou ao Marquinhos responsabilidade, faltou àqueles que o comandavam. A propósito, quem era o técnico à época? Ah, sim, lembrei, era aquele que não gosta de dividir holofotes com ninguém.
Segue...

Chuleta Avaiana disse...

Nobre Alexandre,

Respeito a opinião do amigo, mas, para quem gostava tanto de causar polêmica nos microfones, poderia ter jogado o problema no ventilador...

Entretanto, o "ídolo" ficou se arrastando em campo e acabou confessando esta situação qdo chegou no Grêmio. Aqui, se manteve fora de peso - culpa de quem comandava e não cobrava - mas no tricolor, entrou em forma, assim como no Santos, corre, divide, bate falta, escanteio e vibra muito...coisas que faltava no Avaí....

Abraços da Chuleta Avaiana.

Serjão Jr disse...

Marquinhos foi grande jogador que passou pelo Avaí e nada mais. A unica diferença é que se fez passar por torcedor e profissional. Profissional e ter amor ao clube só conheço um. Rogério Ceni.

Anônimo disse...

Quem sabe! Para o cidadão chuleteiro quem deveria ser ídolo no avai é o romano, para, acleisson, welton felipe !

Chuleta Avaiana disse...

Prezado Anônimo,

Você deveria ler novamente o post e certamente perceberá que em nenhum momento afirmamos que Marquinhos não é um ídolo!

O "protegido" camisa 10 só não corria no Avai e isto é inegável....basta ver os jogos do Santos em 2010 e do Grêmio atualmente para notar que não é o mesmo galego que joga no Avai..

Esses que você citou não deveriam nem vestir a camisa do leão!

Abraços da Chuleta Avaiana.

Chuleta Avaiana disse...

Perfeito Sérgio,

Marquinhos criou uma imagem que não existe....pelo menos nele!

Nessa última passagem pelo Leão, o atleta mostrou má vontade, descompromisso e somente foi mantido em campo protegido pelo manto da idolatria...pelo que já havia feito num passado recente!

No Grêmio ficou afastado e NÃO reclamou...ficou em forma e está correndo uma barbaridade...mas aqui, não podia dar carrinho, pois não é o "estilo" dele...só aqui...é por estas e outras que estamos caminhando para segunda divisão!

Abraços da Chuleta Avaiana.