quinta-feira, 5 de julho de 2012

No Avai, uma mão não lava a outra!

Infelizmente e inexplicavelmente, na Ressacada, as negociações são realizadas de forma confidencial e o torcedor fica confuso para entender a via de mão única adotada pelos administradores alvicelestes.

Há poucos dias, tivemos alguns exemplos práticos e irritantes. Primeiro, Léo Campos, uma promessa da base avaiana foi dispensado, mas, rapidamente, surgiu o Grêmio e contratou o garoto, mesmo com tantos “pontos negativos” colocados no ar por pessoas ligadas ao clube.

O ídolo M10, mesmo após a pomposa chegada de helicóptero, foi incentivado pelo presidente Zunino para compor a equipe gaúcha. Agora, quando poderia haver uma facilitação no retorno do atleta, que está encostado no banco, o diretor-executivo gremista afirmou: “não somos instituição de caridade”. Ah, o galego também não aceita diminuir o salário!

Outro caso é o do artilheiro/capitão William - “desligado” – mesmo com contrato vigente, o qual preferia atuar em qualquer equipe, menos permanecer no sul da ilha. Mais um caso sob o manto da confidencialidade. Entretanto, o Atlético/GO só aceita liberar o jogador com o pagamento do investimento que foi realizado, algo em torno de R$ 600 mil reais.

Por último, a notícia divulgada nesta semana a respeito de dois garotos da base que novamente foram “doados”, a princípio, sem qualquer retorno financeiro ao clube azurra. Definitivamente, no Avai, uma mão não lava a outra!

3 comentários:

Diego Cordeiro disse...

Depois falam que a base do Avaí não tem qualidade. Deve ser interessante para algumas pessoas do clube "liberar" jogadores de graça para Fluminense e Cruzeiro. O mesmo aconteceu com o Léo Campos que foi "liberado" e assinou com o Grêmio.

Cadê o ISO 9001? Como o Avaí conseguiu o certificado? Isso é padrão de qualidade?
Depois os "puxa-sacos" do Zunino dizem que está tudo certo no clube, é brincadeira.. onde está o Conselho Deliberativo para aprovar este e outros absurdos que ocorrem diariamente no Sul da Ilha?

Pode ser que desta vez os jogadores nem sejam do Gabriel Zunino, mas com certeza alguém da Diretoria deve ganhar um "trocado" com estas negociações obscuras. Sem falar de outros talentos que são desperdiçados, seja por "liberarem" para outro clube totalmente de graça (pelo menos no caixa do Avaí não entra nada), ou por não aproveitarem no time principal, em detrimento de apostas e medalhões que chegam de outro clube, com empresários ganhando comissão e elevando a folha salarial, para apenas figurar no banco ou nem ser relacionado. E a dívida vai crescendo....

Chuleta Avaiana disse...

Prezado Cordeiro,

Estas situações nebulosas é que não inspiram confiança ao torcedor.

Abs.

Anônimo disse...

Essa ISO 9001 aplicada a clubes de futebol deve ter sido criada por bandidos, porque depois que ela foi aplicada começaram a saquear o Avai.
Simplesmente "desligam" jogadores com algum futuro, pra alguém ganhar dinheiro, mesmo depois de o clube ter investido no jogador.
Te liga Zunino, tá na hora!
Bighal.